Revista Impressos Quero ser Sócio Área Pessoal Galeria Biblioteca Pesquisa Newsletter

Calendário
Recreativo
Desportivo
Cultural
Férias e Viagens
Vida Associativa
Parceiros
 

Página Inicial > Recreativo >

imprimir
Afinal, o Bacalhau não vem só da Noruega!
Como foi a visita à Quinta da Bacalhôa

Às 10h45 de Sábado, com um Sol luminoso acompanhado da névoa típica de Azetão, lá estavam 25 apreciadores de vinhos e de passeios para dar início à descoberta da Quinta da Bacalhôa.

“Porquê Bacalhôa?” – Perguntavam alguns? “Seria uma alcunha maldosa? Haveria um Norueguês nesta história?”.

A denominação tradicional desta quinta deve-se possivelmente à alcunha de "Bacalhau" que tinha D. Jerónimo Manuel, Capitão-Mor das naves da carreira da Índia, e 1º dono desta herdade. Foi marido de D. Maria de Mendonça e Albuquerque, herdeira da Quinta da Bacalhôa, que, após a morte do marido foi apelidada de “Bacalhôa”.

Uns dizem que por derivação do apelido outros têm histórias mais maldosas da infeliz relação… O facto é que esta quinta teve muito que explicar, entre salas cheias de peças de arte da colecção Berardo, jardins palacianos e adegas enebriantes!

No final da visita, a prova de vinhos revelou muitos apreciadores que se desdobraram em compras na loja de todos os prazeres onde nem o chocolate faltava para acompanhar à sobremesa um cálice de moscatel. Txim! Txim!




Apresentação Sobre nós Politica de Privacidade Contactos