Revista Impressos Quero ser Sócio Área Pessoal Galeria Biblioteca Pesquisa Newsletter

Calendário
Recreativo
Desportivo
Cultural
Férias e Viagens
Vida Associativa
Parceiros
 

Página Inicial > Desportivo >

imprimir
Elevadores de Lisboa
Três são completamente cicláveis

O dia de sol convidava a pedalar em Lisboa e a aproveitar a luz mágica desta cidade e assim como combinado, pouco depois da 9.00h, partimos de Belém, em direcção ao elevador da Bica.

Logo à partida foi possível verificar que alguns dos participantes, numa arrojada manobra táctica, apostaram em bikes com rodas mais finas, algo que deixou muitos dos participantes desconfiados da eventual mais valia desta opção.

A primeira parte do percurso, até ao elevador da bica era plano, o que fez com que os participantes chegassem frescos à primeira subida, o elevador da Bica, que desta forma foi conquistado pela maioria dos participantes, já que este será também, provavelmente, o elevador com menor percentagem de inclinação e além disso foi-nos vedado fazer a parte inicial da subida, que por sinal é a mais inclinada.

A malta das rodas finas logo se arrependeu da opção, já que a roda parecia feita à medida para encaixar no carril do elevador, o que não lhes deixava alternativa a não ser desmontar e consequentemente, levar a bike à mão.

Conquistado este elevador, fomos em direcção ao elevador da Gloria, já nosso conhecido, passando antes pelas ruas do Bairro Alto, pelo Príncipe Real, praça da Alegria e avenida da Liberdade.

Na avenida, ganhámos mais um participante, é verdade que normalmente a meio dos nossos passeios perdemos um ou outro participante por razões físicas ou mecânicas, neste caso não houve situações desse género, tendo-se juntado a nós um jovem que sozinho pedalava pela cidade e que desta forma nos acompanhou até ao fim do passeio.

No elevador da Gloria já foram menos os que completaram a subida em cima da bike, a inclinação e a distancia fazem deste elevador a linha que separa os trepadores dos roladores.

Depois do reagrupamento foi tempo de descer até ao Rossio e daí até à praça do Comércio, passando pela rua Augusta. Claro que pelo meio os trepadores tiveram de colocar algum combustível no depósito e assim atestar da ginjinha transmontana... Bem hajam!!!

Depósito atestado fomos atacar as últimas subidas, rua da Prata, elevador do Lavra, que alguns desconheciam e que creio que nenhum dos participantes tivesse antes tentado subir de bike, e onde, se não me falha a memória, apenas 3 conseguiram conquistar a subida, sendo que um deles era o nosso participante adicional.

Depois disso, a maioria dos participantes, foi conhecer o Jardim do Torel, um recanto lisboeta a visitar.

Depois da descida até ao Martim Moniz foi tempo da última subida até à Graça que todos fizeram ainda que a ritmos distintos.

A descida por Alfama fez a delícia de todos e com o fim do nosso passeio a aproximar-se, no entanto ainda houve tempo e capacidade física, uma vez que alguns dos participantes acusavam já algum desgaste, para passarmos junto à Sé de Lisboa, campo das Cebolas e praça do Município.

O passeio acabou com cerca de 25 km percorridos, tendo este sido, na minha opinião, um dos melhores passeios em Lisboa, foi fantástico, divertido, sem pressas, nenhuma desistência, sem problemas mecânicos e onde nasceu a ideia para um novo passeio em Lisboa, com um objectivo diferente e bem aliciante.

Por isso fiquem atentos, até lá bons treinos.

Por Carlos Morais, 04-02-2013





Apresentação Sobre nós Politica de Privacidade Contactos