Secretaria   Galeria   Biblioteca   Pesquisa   Contactos
 
ApresentaçãoSobre nósRevistaImpressosAdmissão de Sócio Newsletters

Recreativo
Calendário
Cultura
Desporto
Férias e Viagens
Parceiros
Vida Associativa
 

Página Inicial > Cultura >

imprimir
Trilho de Lourizela
Na encosta da Serra do Caramulo

À hora marcada partimos da Praça Francisco Sá Carneiro, no Porto. Depois de uma semana de chuva, no Sábado, embora encoberto, não choveu.

Chegados a Águeda encontrámo-nos com o nosso guia, o Gabriel Soares, da Agitours e com a D. Madalena, do Turismo da Camara Municipal de Águeda, que muito nos honrou com a sua companhia.

O trilho com uma distância de cerca de 5km, com um ponto de partida e chegada na aldeia típica de Lourizela, tem paisagens naturais praticamente intocadas que convidam o caminheiro a parar e a contemplar.

Lourizela é uma típica aldeia serrana, situada numa encosta da Serra do Caramulo, pertencente à união de freguesias de Préstimo e Macieira de Alcoba.

Iniciámos este percurso junto da Capela de S. Tomé e por entre o casario de xisto rumámos em direcção à zona florestal. Segue-se por um caminho que nos leva até junto das margens do rio Alfusqueiro,onde encontramos a casa da antiga turbina hidroelétrica.

Atingindo o rio, fizemos o desvio para vermos o início do canal. Este é um troço do percurso muito interessante ao longo da margem esquerda do rio, de uma beleza incrível, é um local de interessantes formações rochosas e existe também uma imponente cascata que cai do cimo do monte, apesar de estar um pouco camuflada por baixo do arvoredo.

Continuando a caminhar por dentro do canal, passados uns metros chegámos à antiga Mini-Hídrica. Passámos depois por uma zona muito bonita de cascatas e antigos moinhos de água, continuando a subir até às Termas do Lameirinho, um local bastante aprazível, eleito para degustação dum lanche surpresa, oferta da Agitours, empresa que colaborou connosco na orientação deste trilho.

Após atravessarmos o riacho que banha este espaço muito agradável e acolhedor, subimos até à estrada que dá acesso à aldeia e após cruzarmos a ponte virámos à direita, novamente para a floresta, sobre um tapete de folhas secas.

Um pouco mais à frente atravessámos uma ponte de madeira, encontrando um moinho e uma fonte e daqui à aldeia é um ápice e rapidamente chegámos à Capela de S. Tomé onde nos aguardava o autocarro para o regresso.

Foi sem dúvida um dia muito bem passado.

Queria agradecer à D. Madalena, do Turismo de Águeda, por toda a colaboração que nos proporcionou e pela companhia que nos fez neste trilho.

Por Reis Almeida, 15/04/2018




Politica de Privacidade Secretaria Biblioteca Contactos